Círculo Meridiano

Construtor: TROUGHTON & SIMMS
Proveniência: Londres, Inglaterra
Data de fabrico: 1851
Material: Latão, vidro e pedra
Dimensões: 64 cm de diâmetro do círculo 
Peso:

Inscrições: TROUGHTON & SIMMS, London 1851

Descrição: Círculo meridiano com círculo graduado vertical de 64,8 cm de diâmetro, eixo de 73 cm de comprimento, 9 cm de abertura da objectiva e distância focal de 1,244 m, micrómetro na ocular e um parafuso que permite pequenos deslocamentos na direcção norte sul. O instrumento possui uma ocular com o N.º 130, bem outra ocular, N.º 63, com uma régua com quatro vidos coloridos, a objectiva tem uma tampa com dois orifícios, de diferente diâmetro, para retirar o sol. Possui um aparelho de inversão e dois microscópios com micrómetros, divididos em 60 partes, para a leitura no círculo, marcados com as letras A (esquerda) e B (direita). As golas do eixo do instrumento assentam em dois suportes metálicos(suspensões) que se encontram instalados em duas pedras que constituem os pilares do instrumento.

Finalidade e modo de funcionamento: O Círculo Meridiano é um instrumento ainda hoje importante na astronomia de posição, pois com ele pode determinar-se com grande precisão a ascensão recta e a declinação de corpos celestes. O princípio do círculo Meridiano consiste na observação da passagem de uma estrela (ou de outro corpo celeste) no plano meridiano, podendo assim com esta observação determinar-se a ascensão recta e a declinação.

Estado de conservação: Encontra-se em bom estado de conservação.

Nota histórica: Em 27 de Março de 1854 foi entregue pelo Ministério do Reino ao Conselheiro Thomaz d'Aquino o círculo Meridiano, tendo o seu transporte até à Figueira da Foz sido feito pela barca Conceição Ermelinda, do mestre PauloRodrigues. O instrumento chegou ao Observatório em 16 de Junho de 1855.Os pilares de pedra onde o instrumento se encontra instaladoforam feitos pelos serventes Maia, tendo ocorrido o último pagamento deste serviço em 22 de Junho de 1855.No decorrer do mês de Agosto de 1859, foram os referidos pilares rebaixados três palmos abaixo do pavimento da casa.

Beneficiações e restauro: Foi construído no Observatório, por José Joaquim de Miranda um aparelho de inversão para o instrumento, semelhante ao então utilizado em Madrid.
 
Exposições:
- Conferência Sobre Ciências Físicas do Séc. XVIII, O.A.U.C. - 1990.

*


Bibliografia:
BANDEIRA, José Ramos, Universidade de Coimbra, Tomo I, Coimbra - 1943, pg.96, 109 e 110:
Catálogo dos Instrumento, Livros, Cartas e Móveis do Real Observatório da Universidade de Coimbra, pg. 7, 7 V e 22 V
FREIRE, Francisco de Castro, Memória Histórica da Faculdade de Mathematica, Coimbra - 1872, pg. 101;
INSTRUMENTS OF SCIENCE - An Historical Encyclopedia, Londres - 1998, pg. 628;
PINTO, Rodrigo Ribeiro de Sousa, Posição Geográfica do .... , Coimbra - 1867, pg. 4;

Observações: O Inventário de 1940 refere com o número 491 a existência de alguns acessórios entre os quais duas oculares com o N.º 102 e N.º 130. Igualmente o Catálogo de 1824 faz referência a estas oculares e a uma terceira com o N.º 69, bem como a um retículo de sete fios e a uma lanterna para iluminar o retículo do óculo e a graduação do círculo, destes acessórios aqui referenciados só foi encontrada a ocular N.º 130.
Catálogo Manuscrito de 1810 Catálogo Manuscrito de 1824
Inventário Manuscrito de 1934 : Inventário de 1940 : n.º 488
Inventário de 2000 : I-070 T0441cir